Fazenda de energia solar é instalada no Agreste pernambucano

GlobalSun oferece parque solar no sistema de consórcio em Tacaimbó

O sol escaldante que faz evaporar a água do Agreste é o mesmo que vai produzir energia elétrica para os pernambucanos. A responsável por isso é a GlobalSun Energia, empresa especializada em projetos de energia solar e que acaba de ser integrada ao grupo Publikimagem. O grupo adquiriu 70% do controle da companhia, que atua no mercado local há três anos.
O empreendimento inovador a ser introduzido no interior pernambucano prevê a instalação de módulos de 2 mil m² com 380 painéis fotovoltaicos cada um, em Tacaimbó, distante 168 km do Recife. A área total do empreendimento é de 200 hectares. Os equipamentos, primeiros na região a serem montados para distribuição compartilhada de energia, passarão a compor o cenário do Agreste a partir de setembro.
Cada módulo da fazenda de energia solar a ser instalada pela GlobalSun terá capacidade de geração média de até 200 megawatts por ano, equivalente ao consumo médio de 50 famílias de quatro pessoas. A escolha do local para instalar os painéis não foi à toa. Na região, há pouca incidência de nuvens, o que proporciona uma maior eficiência na irradiação dos raios solares e, posteriormente, geração de energia.
O modelo de negócios consiste na venda da regulamentação de três maneiras. A primeira delas é a venda compartilhada de energia de forma remota. Nela, diversas empresas ou pessoas físicas podem se filiar em um consórcio, com fins específicos de montagem conjunta de usina fotovoltaica. Cada um dos envolvidos paga valores específicos e partilha proporcionalmente a energia que for gerada pelo parque solar.
Atualmente, a GlobalSun instala a primeira fazenda de energia nesses moldes, tendo a Publikimagem e a BVR como consorciadas. Juntas, as empresas investem R$ 450 mil no parque de Tacaimbó. “Nas nossas empresas do Recife não possuíamos espaço adequado para instalar a minigeradora. Poder montar de forma remota e ainda dividir os custos com outras empresas foi a melhor solução”, diz Bruno Herbert, diretor da Publikimagem. Já o segundo modelo é voltado a pessoas física ou jurídica que não dispõem de área adequada para instalar os painéis na residência ou empresa. Nesse modelo, há a contratação da GlobalSun para instalar o parque em terreno do próprio cliente, em qualquer região do Estado.
No terceiro modelo de negócios, o cliente pode contratar a GlobalSun para responder por todo o processo: arrendamento do terreno, montagem dos equipamentos, aprovação do parque solar com a concessionária e manutenção da usina.
LEGISLAÇÃO
Hoje, com um investimento inicial de R$ 25 mil já é possível desenvolver um projeto de energia solar para pequena empresa. O uso da tecnologia recebeu importante incentivo com a Resolução Normativa nº 687/2016 da Aneel. A nova lei vigora desde 1º de março, mas só agora as empresas que oferecem a solução sentem mais efetivamente os resultados das mudanças implantadas.
A resolução possibilitou a pessoas físicas e empresas unirem-se para gerar energia de forma compartilhada. A energia excedente é cedida à distribuidora, e posteriormente compensada com o consumo de energia elétrica da mesma unidade consumidora ou de outra unidade de mesma titularidade. O saldo positivo de um mês pode ser cedido para abater a fatura do mês subsequente. Os créditos de energia gerados valem por 60 meses. Há ainda a possibilidade de o consumidor usar esses créditos em outra unidade, na mesma área de concessão e do mesmo titular.

Pernambuco já possui vários projetos de usinas solares fotovoltaicas contratados e tem 86 projetos de micro e minigeração de energia solar. “A tecnologia solar é livre de carbono e, portanto, contribui para a redução de emissões de CO² na natureza pelo uso de energia. A energia solar pode ser um vetor de crescimento e de melhoria da qualidade de vida da população”, destaca o diretor da GlobalSun, Pedro Nunes.
Em Pernambuco, 35 dias são necessários para a conclusão da assessoria técnica e aprovação do projeto pela Celpe. A partir daí, é feita a instalação. Todo o processo, bem como a manutenção do novo parque solar, é feito pela GlobalSun.
Segundo o presidente-executivo da Absolar (Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica), Rodrigo Sauaia, “ao redor do País, o retorno de investimento médio em microusina é de 6 a 12 anos”. Em Pernambuco, devido ao preço acessível, o retorno se dá em até sete anos. O equipamento tem garantia de produção de pelo menos 25 anos.
Até o mês passado, o Brasil contava com 51,1 MW de potência instalada de geração solar, correspondentes a 3.851 instalações. Em oito meses, o número de instalações triplicou no País. Em 2018, o Brasil deverá estar entre os 20 países maiores geradores de energia solar, ao se considerar a operação da potência já contratada, de 2,6 GW.

Sobre a nova GlobalSun Energia
Criada em 2013, com sede no Recife, a GlobalSun Energia é especializada no desenvolvimento e execução de projetos com tecnologia solar em todo o País. A empresa passa a integrar grupo Publikimagem, que adquiriu 70% do controle da companhia. Essa negociação é resultado da aproximação da Publikimagem e BVR Consultoria com a GlobalSun, com o intuito de montar o seu próprio parque solar.
Entre os vários projetos desenvolvidos, estão os parques solares do Jardim Botânico do Recife, no Curado; da Cachaçaria Sanhaçu, em Chã-Grande, e do Parque da Jaqueira, no Recife, além de projetos com a Chesf. Oferece estudo, desenvolvimento e instalação do sistema, incluindo a manutenção da minigeradora. Compõem a GlobalSun os empresários Bruno Herbert Batista Lima, Romulo Pimentel Filho e Eduardo Jansen Costa, e os sócios originais da GlobalSun, Filipe Bezerra e Pedro Nunes.
Contatos para entrevistas:
Mia Comunicação
Janaína Lima – 81 99147-9143
Alessandra Raposo – 81 99882.8597





Com informações da assessoria.

























Post Author: Assessoria

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *