O golpismo de Janot: eternizar-se na PGR

O Globo noticia que Rodrigo Janot pretende mais um mandato à frente da Procuradoria Geral da República.

Diz, segundo o jornal, que ele é “a garantia da Lava Jato”

Quando as ações institucionais são personalizadas, deixam de ser instituições e se tornam projetos de poder.

E isso virou uma febre na Justiça e seu entorno.

Sérgio Moro é o juiz universal.

Carmem Lúcia negocia aberrações com o Governo Temer para que se aceite a redução do salário dos servidores estaduais.

E Janot, “a esperança do Brasil”, proclama-se insubstituível.

Na ocasião em que pleiteava o segundo período à frente da PGR, o Dr. Janot declarou que pretendia “mais um e único mandato”.

“E encerro a carreira”.

Está aí, abaixo, o que ele disse há um ano e meio, em 27 de maio de 2015, num vídeo cuja íntegra está aqui.

Decida o leitor que palavra se usa para isso.

Por Fernando Brito, no blog Tijolaço

Post Author: Assessoria

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *